Travessia Petrópolis Teresópolis: abrigo Açú

19 de maio de 2017

Travessia Petrópolis Teresópolis

Mais uma linda travessia que estava em nossa ‘pequena’ lista e que, por causa do famoso ‘Cavalinho’  e o ‘Elevador’, eu estava com receio de fazer, pois não me sentia preparada. Mas como desde o ano passado eu estou tentando me superar, esse foi mais um desafio que venci não com muita honra mas com coragem. No próximo post você vai entender melhor esse episódio! 🙂

Bom, comecei com meu pé esquerdo! Deixamos nosso carro na pousada do Ivo (tanto o Ivo como a pousada são perfeitos!) e de lá junto com o grupo organizado pelo Carlos da Mantiex, fomos de van até Petrópolis, na entrada do Parque Nacional Serra dos Órgãos. Quem conhece essa estrada sabe o zigue-zague que é. Pois então, mesmo com um Dramin no estômago, não resisti: vomitei! Aff! Pior é que o saquinho estava com um furo e sujei minha roupa e pochete da Curtlo. belo começo!

Antes mesmo de chegar a entrada do Parque a chuva começou. Fraca, fria e persistente. Bem que o Elio tinha visto no site de previsão do tempo que iria chover praticamente os 3 dias inteiros de travessia. Eu tinha embalado tudo nos sacos estanques, saco compressor da Curtlo e sacos plásticos resistentes.

Travessia Petrópolis Teresópolis

Primeira vez nesses 7 anos de blog que o Elio não tirou NENHUMA foto, dá para acreditar? Não tinha como. Quando não era a chuva forte, era a neblina que baixava e cobria tudo a nossa frente!

Como não paramos nenhuma vez para fotografar e apenas uma vez para tomar nossa vitamina (fazemos uma misturinha de Neston com Leite em pó que ao adicionar água geladinha da montanha fica uma deliciosa e saudável vitamina), chegamos no Açu depois de 6 horas. Nos últimos 30 minutos praticamente estávamos correndo, pois eu já estava com princípio de hipotermia.

Muito vento, muito frio! Ainda bem que reservamos as camas no abrigo para passar a noite! Depois do banho quente, sentei na cama e meus pés estavam dormentes. Foi um trabalho aquecê-los e voltarem ao normal. Depois foram as câimbras nas pernas: fortes e intensas. Nunca as tive e acredito que fiquei com elas por causa do frio que passei.

Jantamos uma deliciosa sopa que o Carlos preparou e fomos descansar!

Consegui gravar um pequeno vídeo pela trilha, veja só:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *