Paine Grande ao Italiano e Valle del Francês – Torres del Paine

18 de janeiro de 2017

Saindo de Paine Grande

Acordamos cedinho e depois de uma noite turbulenta, com ventos fortíssimos, a manhã estava tranquila e serena sem nenhuma rajada de vento. Vai entender. Isso é a Patagônia!

A noite, os ventos foram tão fortes, que pensávamos que nossa barraca Nepal Azteq não iria resistir com sua única vareta. Resistiu fortemente! Nosso amigo que estava com uma barraca igual a nossa, disse que a dele apenas amassou um pouco a vareta, mas estava firme e forte!

Fomos ao Refúgio Paine Grande tomar nosso café da manhã, reforçado e delicioso.

Campamento Italiano

Desmontamos o acampamento e pegamos a trilha às 9:45 h. Pelas informações do folder, até o campamento Italiano seriam 7,6 km em 2:30 h. Mas como estava muito frio e chovendo, fomos mais cautelosos e fizemos em 3 horas. Muitas poças de água e lama pelo caminho.

Ao chegarmos no Campamento Italiano (gratuito da CONAF)  fizemos nosso check in na Guarderia do Parque e fomos montar nossa barraca. O camping é bem ruim também, mas melhor que o Campamento Paso. Pelo menos tem 4 banheiros tipo ‘casinha’, mas também nenhuma ducha. A área da cozinha tem 3 paredes de madeira, chão de lama e bem sujo.

Apenas uma pequena mesa e prateleiras nas paredes para usarmos como balcão para cozinhar. Não tem armazém. O local de pegar água é no rio correntoso que desce do Valle del Francês. O acesso à água é ruim e perigoso.

Se você pretende ficar nesse acampamento eu sugiro que pense melhor e siga para o ‘Los Cuernos” (privado da Fantástico Sur) 2:30 h a mais de caminhada, mas com certeza vale a pena. Nesse caso, você pode deixar sua mochila cargueira na frente da Guarderia do Italiano e subir o Valle del Francês só com sua mochila de ataque. É seguro.

Mochilas cargueiras em frente a guarderia Italiano

Depois de montar o acampamento saímos para subir até o Mirador Britânico no Valle del Francês, às 13:30h.

Valle del Francês e Mirador Britânico

O tempo continuava feio: frio e chuva. Muitas pessoas retornando dizendo que naquele dia não valia a pena subir, pois estava tudo fechado. Mas nós somos teimosos e continuamos nossa jornada.

A trilha é 100% subida o tempo todo, sem pausa para descanso. Tem mais áreas de florestas que áreas abertas. Num determinado momento a trilha é dentro do córrego, sobre as pedras. Muito lindo.

Chegamos ao Mirador do Francês às 14:45 h e ao olharmos para ‘Los Cuernos’ vimos uma pequena janela de céu azul ao fundo. Decidimos seguir adiante! O Elio disparou na frente e eu fui mais devagar atrás.

Mirador Francês

 

Uma hora e meia depois, eu estava a 30 minutos do Mirador Britânico e o Elio já estava lá, recebemos então um presente das montanhas. INCRIVELMENTE o céu se abriu. Confesso que me emocionei muito e até chorei.

Estava sozinha, no meio do nada, cercada por lindas montanhas, me sentindo cansada e fraca e de repente, aquela incrível imagem dos Cuernos e das Torres del Paine perfeitamente limpas, sem uma nuvem, com seus granitos imponentes e majestosos, ali na minha frente e eu sem ninguém do meu lado para comentar e compartilhar aquele momento mágico!

Mirador Britânico

Estranhamente, o Elio já estava no Mirador Britânico, vendo a mesma imagem que eu via e sentindo a mesma sensação que eu sentia: felicidade pelos ‘deuses da montanha’ permitirem uma janela no céu, e ao mesmo tempo triste por não ter com quem compartilhar esse momento mágico.

Nessas horas que percebemos o quanto somos ‘ligados’ um ao outro. Sensações parecidas ao visualizar algo e ter o desejo que o outro estivesse ali também para sentir esse prazer juntos! Se isso não for amor, não sei mais o que pode ser… <3 <3 <3

Eu parei onde estava e esperei cerca de 5 minutos o Elio voltar. Assim que ele me viu ficou tão feliz por eu estar ‘logo ali pertinho’ e ter visto tudo que ele viu! Nos abraçamos e choramos!

Choramos porque desde 2010 tentávamos fazer o Valle del Francês e as 3 tentativas foram frustadas. Primeiro em 2010, onde o pouco tempo planejado para conhecer o parque, nos limitou ao Grey e às Torres. Depois em 2012, quando houve o grande incêndio no parque e ele fechou para visitas e decidimos passar uns dias em Punta Arenas. E a terceira foi em abril de 2015 quando meu pai esqueceu seus documentos e perdemos o voo para El Calafate, remarcando para Buenos Aires e Bariloche.

Sim! Depois de 4 tentativas, conseguimos! Conhecer o Valle del Francês passou a ser para nós, motivo de provação, daquelas que tudo conjura contra e mesmo assim a gente não desistiu.

Mas tudo tem seu preço… E o nosso foi muito caro! Três dias depois, antes mesmo de chegar em casa, recebemos a notícia que um dos nossos cachorros tinha partido. Toda a euforia e orgulho de ter conquistado algo tão importante para nós, se transformou em nada! Muita dor, muita tristeza e luto. Até agora quando escrevo esse post, 43 dias depois desse episódio, meu coração ainda fica pequeno e apertado ao relembrar.

Última foto com o Peter

Voltamos ao acampamento Italiano, jantamos uma das refeições que trouxemos (carne Vapza, purê de batatas Hikari e molho pronto). Fomos descansar.

Ah! Tem vlog do dia de hoje!

Mais dicas do que fazer pela região:

Em 2017 Torres del Paine Circuito Completo

Chegando em Torres del Paine

Las Torres ao acampamento Serón

Serón ao Dickson

Dickson a Los Perros

Los Perros ao acampamento Paso (Paso Gardner)

Paso ao Refúgio Grey

Grey ao Paine Grande

Paine Grande ao Italiano

Italiano ao acampamento Las Torres

Em 2010 Duas pernas do Circuito W

Torres del Paine: chegando de carro

Trekking de Paine Grande ao Refúgio Grey

Trekking do acampamento Las Torres ao Refúgio Chileno

Mirador Las Torres

2 comentários sobre “Paine Grande ao Italiano e Valle del Francês – Torres del Paine

  1. Ronaldo

    Muito bom. Estive aí em Março de 2016. Um ano atrás. E agora pude voltar através das suas imagens.

    Eu dei um pouco mais de sorte. Peguei tempo bom em todo o circuito. Na noite anterior à subida ao vale Francês choveu um pouco, o dia amanheceu um pouco encoberto, mas logo abriu. Peguei até neve (fraca) na subida para o mirador.

    Cerca de 30 minutos de caminhada do Campamento Italiano, tem um campamento novo e com estrutura muito boa, o Campamento Francês. Meu plano era ficar no Italiano, mas como não tinha reserva e ele estava cheio tive que ir para o Francês. Acabou sendo melhor, eu acho.

    Abraços e parabéns pela aventura e pelas imagens.

    1. Admin Autor da Postagem

      Olá Ronaldo.
      Obrigada pelo carinho!
      Sim, o Campamento Francês está ativo e é muito melhor que o Italiano.
      Infelizmente não achamos nenhum relato na internet nos alertando sobre essa diferença e acabamos reservando o Italiano.
      Mas fica a dica aos demais aventureiros, não é?
      Volte sempre!
      Carla

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *